Como Montar uma Salada

Não, salada não é só folha.

Uma salada bem montada com diversos componentes pode saciar sua fome tão bem quanto uma “refeição completa”.

Abaixo, você lerá sobre a estrutura da salada, sabendo como complementá-la da melhor forma que julgar!

1. As Folhas

As folhas são a base da salada, sendo a parte que a maioria concorda ser a mais importante.

Algumas opções de folhas são alface, seja ela crespa, lisa, americana ou roxa, rúcula, couve e repolho, este último possuindo também a opção roxa.

Citando algumas das diversas vantagens das folhas, elas possuem pouquíssimas calorias e são um dos melhores remédios para a prevenção de doenças crônicas.

É claro que existem diversas folhas, sendo que as de sua salada podem ser até refogadas, como é o caso de um espinafre e couve.

2. A Proteína

Não necessariamente carne, a proteína seria o componente “sustância” da salada.

Alguns exemplos são frango, carne vermelha, peixe, ovos (principalmente cozidos, com gema mole ou dura), cogumelos e atum.

Uma salada com alguma fonte de proteína é bem melhor aceita pelo paladar, principalmente para quem não está acostumado a ela, o prato verde.

A proporção da salada em si vai depender de você mesmo. Há quem prefira focar nas folhas e deixar os outros componentes mais de lado.

Porém, para quem deseja introduzir a nova refeição aos poucos, priorizar uma fonte de proteína no prato pode ajudar.

3. Os Legumes

Por legumes, consideramos vegetais e até frutas. Podem ser tanto crus como cozidos ou refogados.

A forma como são preparados poucos importa, mas sim que sejam inseridos na salada. Há tantas variedades que fica difícil listar sequer metade.

Alguns exemplos seriam tomate, brócolis, berinjela, abobrinha, milho, palmito, pepino, picles, manga e morango.

green and orange carrots on brown wooden table

Essa parte é bem livre, pois o que importa é que você obedeça ao seu gosto. Além disso, cuidado para não misturar muita coisa e a salada acabar não tendo nem pé nem cabeça.

Muitas vezes, menos é mais!

4. O Molho

Chegamos à parte mais polêmica na construção de uma salada.

É de bom entendimento que molhos, em geral, são muito calóricos e cheios de sódios, principalmente quando falamos de molhos prontos.

Porém, é totalmente plausível fazer seu próprio molho caseiro, como mostarda de Dijon com mel, azeite e vinagre balsâmico, molho de iogurte natural… E assim vai!

Podemos citar até molhos menos usuais em saladas, mas que combinam tão bem quanto, como guacamole, molho pesto e sour cream (creme azedo).

Para quem não é acostumado a saladas e precisa daquela ajuda para inserir o prato na alimentação, o molho vai ajudar e muito!

Lembre-se também de temperar muito bem sua salada. Além de ajudar no gosto, é claro, alguns temperos são super saudáveis para o nosso organismo, como limão.

5. O Crocante

Para finalizar sua salada, aqui está uma etapa opcional mas que pode fazer toda a diferença!

Há diversas opções de “crocantes” para sua salada verde, como nozes, amêndoas, couve crispy, cebola crispy, castanhas, milho crocante e pistache.

Assim como o molho, o crocante pode ser facilmente “feito” em casa, como tostar as amêndoas e preparar sua couve crispy ao invés de comprá-la pronta.

Outra ótima opção para essa categoria são torradas ou croûton!


Espero que essas dicas sejam úteis em sua vida!

Caso possua alguma dica para mim, pode enviá-la no menu “Sua Área”, onde compartilhamos receitas, dicas e experiências! 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: